População infantil vai diminuir

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

O Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) revelou que a taxa de fecundidade (número de filhos por casal) entre 1992 e 2008 caiu em todas as faixas de renda no Brasil. Os dados são do PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios). Em 1992, a taxa variava de quase cinco filhos por mulher entre as 20% mais pobres para mais de um por mulher entre as 20% mais ricas. Em 2008, a variação é de cerca de três filhos por mulher entre as 20% mais pobres a aproximadamente um filho por mulher entre as 20% mais ricas.

A taxa de fecundidade média no Brasil, que é de 1,8 filho por mulher (em 1991 era de 2,85 filhos) está abaixo da taxa de reposição. A partir de 2030, a população brasileira deve começar a diminuir em termos absolutos, passando de 206,8 milhões em 2030 para 204,7 milhões em 2040.

A participação dos idosos na população está aumentando e vai ser muito maior. Os novos empregos que serão criados no país ficarão concentrados nas pessoas acima de 45 anos que deverão responder por cerca de 48,3% da futura população em idade ativa.

Houve também um aumento significativo de famílias chefiadas por mulheres, que subiram de 4,5% para 31,2% no período pesquisado. Essa elevação está relacionada ao crescimento da participação feminina no mercado de trabalho, segundo o estudo do Ipea. O aumento da proporção de mulheres cônjuges que contribuem para a renda familiar evoluiu de 39,1% para 64,3%.

Fontes: O Estado de S. Paulo – 01/10/09; Jornal Feira Hoje – 03/10/09

Para quem trabalha com o mercado infantil, pode preocupar o fato de seu público diminuir ano a ano. No entanto, está mudando o padrão de consumo. Os pais têm comprado produtos de maior valor agregado para seus filhos (e em maior volume). Isso fará com que esse mercado, em valor movimentado, continue aumentando.

Comments

comments

Comments

comments