Nova Zelândia investiga roupas infantis ‘tóxicas’ feitas na China

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

O governo neozelandês disse que vai investigar alegações de que roupas infantis fabricadas na China contêm níveis perigosos de formol.

O problema foi descoberto por pesquisadores contratados para fazer testes para um programa de televisão da Nova Zelândia. Os cientistas encontraram formol em concentrações até 900 vezes acima dos níveis considerados seguros.

O produtor do programa, Simon Roy, disse que vários tipos de roupa foram testados e que os resultados foram tão inesperados que os cientistas acharam que tivessem cometido um erro.

“Os resultados foram assustadores”, disse ele ao jornal Today, de Cingapura.

O formaldeído, ou formol, é às vezes aplicado em roupas para prevenir umidade e dar uma aparência de que estão sempre passadas. A substância pode causar reações alérgicas e irritação na pele, nos olhos e na garganta.

Recall

Em um episódio separado, uma loja neozelandesa fez um recall de roupas infantis fabricadas na China, depois que dois meninos foram queimados quando seus pijamas pegaram fogo.

Os incidentes acontecem em meio a uma série de denúncias sobre a qualidade dos produtos feitos na China. Na semana passada, a gigante Mattel anunciou um recall de 18 milhões de brinquedos em todo o mundo devido à preocupação com possível contaminação por chumbo.

Em entrevista ao jornal britânico The Times, o chefe do órgão de fiscalização da segurança de produtos na China, Li Changjiang, disse que as alegações recentes eram “uma nova tendência de protecionismo comercial”.

O Comissário de Comércio da União Européia, Peter Mandelson, respondeu que não aceitaria este tipo de acusação.

“A alegação de as ações de empresas européias contra produtos tóxicos chineses têm motivação política e revela preconceito contra a China é totalmente falsa”, disse Mandelson ao The Times.

BBC

Comments

comments

Comments

comments