Mundos virtuais são novo paradigma para crianças

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Pesquisa nos EUA indica que 24% da população total de três a 17 anos devem frequentar sites como o Club Penguin em 2007, e que o share atingirá 53% em 2011

(Cibele Santos)

Os anunciantes dos Estados Unidos descobriram um novo filão na internet: o crescente número de crianças e adolescentes que freqüentam os mundos virtuais. Segundo estimativas da especialista do mercado online eMarketer, 14,9 milhões, ou 41,5% das crianças entre três e 11 anos do país, usarão a internet ao menos uma vez por mês em 2007; até 2011 elas somarão 16,6 milhões, representando 44,3% da população dessa faixa etária. Já entre os adolescentes de 12 a 17 anos, 19,4 milhões estarão online neste ano (share de 73,7%), que aumentarão para 21,1 milhões (87,1%) em 2011.

Somadas as duas faixas etárias, 5,3 milhões de crianças e jovens de 3 a 17 anos (16% da população total dessa idade) visitaram mundos virtuais em 2006; neste ano, serão 8,2 milhões (24%), e em 2011, 20 milhões (53%).

“Naturalmente, os mundos virtuais não são novidade, mas o nível de atividades de desenvolvimento, investimento de capital e interesse dos consumidores é sem precedentes”, disse Debra Aho Williamson, analista sênior da eMarketer e autora do novo relatório Kids and Teens: virtual worlds open new universe. Segundo ela, crianças e adolescentes já constituem 18,2% de todos os usuários da internet nos EUA.

Nova ótica
As crianças e os jovens de hoje vêm a internet de forma diferente, diz Williamson: “Eles estão crescendo não apenas com as redes sociais, mas também com a possibilidade de interagir com as pessoas, de fazer compras, de aprender e de jogar em um ambiente gráfico. Na comparação, as páginas planas da Web, com linques e banners, se tornam desinteressantes”.

Jonathan Collins, produtor executivo de mundos virtuais para a MTV, concorda que as crianças mais jovens estão se habituando à representação gráfica das redes sociais. “Se a rede não tem esses elementos, a garotada acha que alguma coisa está faltando”, disse à eMarketer.

Não surpreende, portanto, que esse valioso segmento esteja atraindo a atenção de anunciantes como a The Walt Disney Co., que pagou US$ 350 milhões pela rede virtual Club Penguin – hoje com 12 milhões de usuários registrados e 700 mil assinantes pagos, segundo a Nielsen/NetRatings.

Fonte: Meio&Mensagem – 25/09

Comments

comments

Comments

comments