Empresas investem em publicidade para o Dia das Crianças

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

As fabricantes de brinquedos, apostando em um ano positivo em relação às vendas, estão investindo com força na divulgação e promoção de seus produtos para o Dia da Criança. Além da quantidade de produtos lançados para a data ser considerada recorde em 2006, o volume de verba destinada a publicidade e a ações de marketing também aumentou consideravelmente.

Este ano, a Lego do Brasil aumentou o montante de verba destinada à área de marketing e publicidade em 20%. Para o Dia da Criança, o valor investido com campanhas de divulgação de produtos será 30% maior em relação ao mesmo período do ano passado, explica Robério Esteves, gerente de operações da empresa no Brasil. “Este é um momento bastante importante para o segmento de brinquedos; é uma data significativa, e, culturalmente, os brasileiros têm o hábito de presentear crianças”, diz.

Segundo ele, a empresa disponibilizou 158 produtos em 2006 — deste total, 126 são lançamentos e 37 foram colocados no mercado entre agosto e setembro. Até o fim do ano, mais 17 novos produtos serão lançados no mercado. Esteves diz que 30% do faturamento do ano vem do Dia da Criança. “É o que negociamos com os nossos clientes do varejo”, explica. Este ano, as ações da empresa serão concentradas na televisão aberta e fechada e em ações realizadas nos pontos-de-venda.

“Temos ações negociadas com alguns clientes, como a Ri Happy, e o concurso ‘Crie e ganhe Lego’. Nele, as crianças terão a oportunidade de criar, fotografar e expor seus trabalhos em um display localizado na loja. Os três melhores de cada categoria serão premiados, e o vencedor levará mil reais”, conta Esteves.

Ele diz que, além das promoções, diversas ações nos pontos-de-venda são realizadas em parceria com os clientes, como a criação de camisetas para os funcionários e a confecção de sacolas personalizadas para as lojas.

Crescimento
Na Brinquedos Estrela, os investimentos em marketing e publicidade também ultrapassarão o valor investido em 2005. Este ano, a empresa investiu um valor 15% maior em relação ao mesmo período do ano passado, diz Aires José Leal Fernandes, diretor de marketing.

“Destinamos 40% da nossa verba para o Dia da Criança e 40% para o Natal. A vantagem do primeiro é que, se alguma coisa der errado e as vendas forem abaixo das expectativas, ainda temos o Natal para recuperar”, explica Fernandes. Segundo ele, dos cento e oitenta produtos com lançamento marcado para este ano, cem foram lançados entre o início de agosto e o fim de setembro.

“Estamos com doze filmes no ar, nas emissoras abertas e fechadas que possuem programação infantil. Além disso, estamos contratando um exército de promotores para atuar nos pontos-de-venda no varejo. No total, haverá cerca de trezentos promotores em todo o Brasil, além dos materiais institucionais”, conta.

A Grow Jogos e Brinquedos vai investir este ano o dobro do que destinou a marketing e publicidade no Dia da Criança de 2005. De acordo com Gustavo Arruda, gerente de produtos da empresa, quatro brinquedos terão campanhas veiculadas nos principais canais abertos e a cabo. “No ano passado promovemos apenas dois produtos”, diz Arruda.

Dos cento e trinta lançamentos programados para 2006, trinta foram lançados entre agosto e setembro. Além das campanhas nas emissoras, a empresa também aposta no merchandising como forma de divulgação. Segundo Arruda, o Dia da Criança perfaz 35% das vendas do ano.

Quem também vai investir mais em publicidade esse ano é a Gulliver, que aumentou de quatro para dezessete o número de produtos que vão contar com campanhas publicitárias nas emissoras de televisão abertas e fechadas, de acordo com Paulo Benzatti, gerente nacional de vendas. Segundo ele, 75% das vendas da Gulliver são realizadas no segundo semestre e 35% acontecem no Dia da Criança.

Benzatti conta que a verba de marketing da empresa passou de R$ 1 milhão, no ano passado, para R$ 2,5 milhões este ano. Acredito que vamos investir cerca de 60% dessa verba no Dia da Criança, afirma Arruda.

TV a cabo
No ano passado, de acordo com dados da publicação Agências&Anunciantes, as empresas do setor de brinquedos e acessórios compraram mais de R$ 49 milhões em espaço publicitário na mídia. Desse total, mais de R$ 38 milhões foram destinados à televisão aberta e mais de R$ 7 milhões à tevê por assinatura.

“Os números ainda registram uma grande vantagem das emissoras tradicionais, mas já é possível notar, entre as empresas, uma disposição em priorizar os canais a cabo. A tevê a cabo tem valores mais acessíveis e conseguimos uma freqüência maior. Além disso, o público é mais qualificado”, explica Gustavo Arruda, da Grow.

Quem também concorda é o gerente de operações da Lego. “O número de assinantes está cada vez maior”, justifica.

Comments

comments

Comments

comments