Baixinhos na Mira – O Mercado é Deles!

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Marqueteiros a postos, propagandas altamente agressivas e criativas, promoções variadas, equipamentos de alta tecnologia e uma legião de consumidores ávidos por tudo. São os novos donos do mercado, responsáveis por um crescimento de mais de 50% da aquisição de celulares, entre 2000 e 2004. Atenção empresários, elas estão por toda a parte e o melhor de tudo, com todas as condições para adquirir os seus produtos e serviços.

As crianças representam nos dias atuais, um dos maiores consumidores do mercado. E mandam pra valer! Alguns dados de pesquisas realizadas comprovam o poder dos baixinhos no momento de decidir o que comprar, desde o aparelho celular, passando pelos equipamentos eletro-eletrônicos, até, pasmem, as viagens de férias e o carro da família.

São influenciadores muito fortes no momento da escolha e as empresas estão de olho nelas. Recentemente, o Instituto Ipsos Marplan realizou uma pesquisa para verificar o que mais atrai o interesse do público infantil na faixa etária entre 10 a 12 anos. Os vencedores foram os carros, os passeios turísticos, equipamentos de informática, entre outros. Ainda de acordo com a pesquisa, o consumidor infantil tem uma forte influência no momento da escolha da marca, seja para a família ou para si próprio. Dados pesquisados revelam que aproximadamente 70% dos adolescentes de 12 a 16 anos das classes A e B escolhem a marca dos tênis; e 60%, a das roupas. Além disso, diversas empresas colocam à venda produtos que lhe permitem satisfazer os desejos de status e independência, como, por exemplo, os aparelhos celulares e os cartões de crédito, sendo responsáveis pela movimentação, por ano, cerca de 7 bilhões de reais em consumo, segundo a ACNielsen.

Muitas são as empresas que já descobriram esse consumidor como, por exemplo, os supermercados que sempre deixaram as balas ao alcance dos pimpolhos e ajudam a deixá-las mais à vontade, com total liberdade para folhear os livros e ouvir os CDs.

Investir num atendimento diferenciado é imprescindível, pois não basta mais algumas ações de marketing que não são tão eficientes para um bom relacionamento com os baixinhos. Um exemplo disso, é a Fnac, uma rede de lojas de produtos de cultura e tecnologia da informação, situada em São Paulo, que disponibilizou um espaço dentro de suas lojas dedicado às crianças de até 12 anos – a Fnac Júnior. os móveis são feitos sob medida, para atender melhor o público infantil, com prateleiras baixas que permitem às crianças escolherem o que querem ver e ouvir.

Outro exemplo é a Livraria da Vila, localizada na Vila Madalena, em São Paulo, que dedica atenção especial às crianças. A loja promove diversos eventos para a garotada. Contrata contadores de histórias e promove oficinas de criação, apresentações musicais e até pequenas encenações para o público mirim. O dono da empresa, Samuel Seibel, afirma que nos dias em que há alguma atividade, a livraria fica repleta de crianças. O proprietário da livraria e os vendedores da ala dos produtos infanto-juvenis atendem muito bem as crianças.

Além do mais, os papais e mamães são generosos na hora de colocar a mão no bolso para permitir que os olhos de seus baixinhos brilhem de alegria. As empresas agradecem e batem palma, esperando ansiosas por esse poderoso consumidor. Segundo os profissionais do ramo e os pais, as crianças começam a dar palpite nas compras já com 4 anos. Portanto, o empresário que não reconhecer que é necessário aproveitar a onda e encantar cada vez mais esse poderoso consumidor, correrá um sério risco de não vender e lucrar.

Portanto, o empresário que tiver uma visão estratégica, não poderá de forma alguma ignorar o potencial comprador que está a todo momento dando sinais de poder, desejo de consumir e uma forte influência no mercado. É hora de arregaçar as mangas e não perder de vista os baixinhos, mas só no tamanho, pois fazem parte de um dos maiores segmentos do momento.

Não vai dar pra deixar de se render aos pequeninos donos do mercado!

———–
por Maria do Rosario Martins da Silva

Comments

comments

Comments

comments